Estoque elevado, safra de verão cheia e maior investimento na safrinha estimulam oferta e criam cenário ruim para milho em 2019

As perspectivas para o mercado do milho em 2019 não são nada animadoras para os produtores brasileiros. O elevado estoque de passagem da mercadoria gerado pela dificuldade de venda em 2018 somado ao panorama que aponta aumento da oferta para o ano que vem, devem manter a tendência de queda no preço da commoditie.

“O mercado interno teve um ano ruim devido as dificuldades dos frigorificos para incrementar o consumo interno e para as exportações tivemos a greve dos caminhoneiros no período da safra, com o preço do frete inviabilizando as exportações, além da super safra dos Estados Unidos. O Brasil deve finalizar o ano com um estoque de passagem de 18 milhões de toneladas de milho. Além disso, temos a perspectiva de uma safra de verão um pouco maior. A soja foi plantada mais cedo esse ano e vamos conseguir plantar todo o milho do país dentro de uma janela ideal e dentro de um clima ideal. Se considerarmos uma safra de normalidade para 2019 e a condição de estoque que nós temos, poderemos ver, após julho de 2019, preços ao produtor até abaixo de R$ 25,00”, aponta Étore Baroni, consultor da INTL FCStone.

Para escapar dessa queda nos preços e tentar buscar o mínimo de rentabilidade, o produtor deve focar em ter a maior produtividade possível nas próximas safras. “Com essa perspectiva de safra boa com plantio dentro da janela e um pouco mais antecipada, o produtor deve focar em fazer uma boa lavoura e aumentar a produtividade para que, quando tiver essas situações de baixa nos preços, ainda consiga manter uma produtividade. Se a minha produção aumentar 20% e o preço cair 10%, mesmo eu vendendo mais barato vou ter aumento de rentabilidade”, diz Baroni.

O consultor também destaca a importância do produtor ficar alerta para as mudanças que podem acontecer no mercado para aproveitar possíveis vendas. “A questão do frete está deixando todo o mercado travado mas eu acredito que devemos ter algumas boas oportunidades para venda ainda, com algum momento de dólar mais forte ou a bolsa de Chicago em alta. O produtor que ainda não vendeu tem que ficar atento para aproveitar esses momentos”.

Por: Aleksander Horta e Guilherme Dorigatti
Fonte: Notícias Agrícolas